Cutucar ou não cutucar, eis a questão!



É engraçado observar as redes sócias e a influência que elas causam na vida, no cotidiano das pessoas, algumas levam isso a sério demais.
Elas permitem que alguns pequenos fatores das redes sócias interfiram na sua “vida real”. Parece irônico, mas é verdade e engraçada a história que contarei a seguir.
Tudo começou na noite de Sábado em um barzinho de rock freqüentado geralmente pela galera dos 25 aos 40 anos, um perfil de pessoas mais maduras, pelo menos era o que eu pensava.
Eu não trabalho com nomes, então darei nomes fictícios.

Fomos para o barzinho em três pessoas, eu, a Rosa e a Margarida, chegando lá encontramos mais dois amigos da Rosa, o Cravo e o Broto. A Margarida se interessou pelo Cravo e foi até ele conversar porque ele deu algumas olhadas para ela. E vocês sabem que hoje as mulheres estão mais descaradas para chegar aos homens que lhe desperta interesses.
A conversa foi a seguinte:
Margarida: Oi prazer, sou a Margarida... blá blá blá 
Cravo: Prazer sou o Cravo... blá blá blá
Margarida: Eu adoraria te beijar... blá blá blá
Cravo: Eu também, mas sou amigo da Rosa e acho que ela me “curti”
Margarida: Ah é? Ela nunca me falou nada.
Cravo: Ah, eu acho isso porque ela sempre me cutuca no Facebook.

Santa mãe do cutuque.

A cara de paisagem da Margarida foi a cena mais engraçada daquela noite, ela olhou para nós e caímos na risada. O ponto de interrogação na cara dela era nítido.

Peraí, o Cravo está fazendo isso errado. Um cara de trinta e poucos anos dar essa resposta, a amiga cutuca ele no Facebook, isso que dizer que ela é afim dele?
Essa eu não sabia, é muita tecnologia para minha cabecinha.
Vamos supor que ele não queria beijá-la, ele tem todo direito de não querer, mas dá outra desculpa porque essa foi horrível.
Naquela hora eu percebi o grau de influencia ou até mesmo de paranóia que as redes sócias têm sobre nossa vida real e social. Qual o significado da tal “cutucada”?

A cena foi muito engraçada, percebo como ficamos “escravos” dessa rede social.
Esses dias atrás eu vi uma charge em que eram dois noivos se casando e o padre dizia: “Enfim, os declaro marido e mulher, pode atualizar o face”. É engraçado também, mas até que ponto nós somos verdadeiros nessas redes e qual o grau de influencia na nossa vida, no nosso cotidiano.

Quando o filosofo francês René Descartes disse “Penso, logo existo” podemos atualizar o “status” para os dias atuais “Tuito, logo existo” ou “cutucado, logo sou paquerado”.

Não é pecado “cutucar” seu amigo, só não deixe a “cutucada” ficar séria demais e não use isso como desculpa.

Comentários

  1. Santa mão do cutuque, o Cravo está fazendo isso MUITO errado kkkkkkk

    Massa!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Meu amigo cantor.

5 minutos de Loucura