Desapega, colega

Você consegue imaginar três mulheres falando em voz alta: “Praticando o desapego”, cada uma com uma historia diferente, mas com motivos iguais para fazer dessa frase o seu mantra. Porque será que nos apegamos tanto a algumas pessoas que mal conhecemos, ficamos iguais bobas pensando neles (assim não dá). No meu caso, ele cuidou do meu sapato (fofo né!). E acredita que me apeguei, sendo que acabei de sair de um “rolo” que também estava apegada, acho que o mantra poderia mudar para “Aprendendo o desapego”, porque particularmente eu ainda não aprendi, mas tento praticar. O mais engraçado é que as três não estão nem ai para nada e nem para ninguém, mas fingem querer apego com alguém, sem ofensa meninas, mas é verdade. Segundo o nosso querido amigo dicionário, a palavra desapego significa perder o interesse, facilidade em deixar aquilo que tinha interesse. Mas eu não perco o interesse, apenas finjo que perdi (uma tática de conquista, mas que raramente dá certo). Será que pessoas desapegadas são mais felizes? Agora falo em relação a tudo, tanto material como sentimental. Quando aquilo ou aquele alguém já não cabe mais na sua vida ou no seu guarda roupa. Ano passado comprei uma blusinha linda era bem simples, reciclagem. Comprei de um hippie que para fazer a arte, ele vira a camiseta do avesso e pinta o desenho que você quiser com pó de grafite. Fui visitar uma amiga em Apiaí e ela se apaixonou pela camiseta, e a dor no coração de dar á ela foi demais, mas logo passou porque no mesmo momento ela colocou a camiseta e sorriu. Que maravilha não ser apegada as coisas materiais. A mesma situação ocorreu com um brinco de moeda japonesa, lindo. Uma amiga se encantou com ele e eu não via motivos para falar não, mesmo gostando muito do brinco. Tirei da orelha e coloquei nela, ela me abraçou forte e no dia seguinte me deu dois brincos lindos. Claro que não tinha pedido nada em troca, mas ela quis dar. Creio que sentiríamos a mesma sensação se aquele “romance” que não cabe mais na nossa vida pudesse ser o romance de outra vida, sem dor no coração de deixá-lo ir. Por que ninguém é de ninguém, deixar livres os sentimentos. Relendo o que escrevi, fico com medo de cair em contradição, mas isso é só um detalhe. Quem nunca cai em contradição que atire a primeira critica!
Como diz Rubem Alves
"Amar é ter um passaro pousado no dedo. Quem tem um passaro pousado no dedo sabe que, a qualquer momento, ele pode voar."
Agora quero todos repetindo comigo em alto e bom som, Let’s go! : Praticando o desapego! Praticando o desapego! Praticando o desapego! Fica uma dica para ter uma vida mais saudável, quando eu conseguir agir da forma como falei na relação sentimental eu aviso vocês.

Comentários

  1. Vou ficar esperando você testar essa tática. Se der certo você me avisa porque meus pés já estão sujos com tantos excrementos de pássaros que voaram de meus dedos...
    hehe

    Marcelo Lito
    P.S.: apesar que ultimamente ouço um canto bonito que vem de uma árvore próxima... eu acho que tem um passarinho lá.
    :-)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

5 minutos de Loucura

Meu amigo cantor.